quinta-feira, 28 de maio de 2009

Morrer é ridículo


"Morrer é ridículo", disse Pedro Bial em um de seus famosos textos.

De fato, morrer é quase um crime.
Quando tudo ia bem, morremos.
Sem qualquer explicação.

Mas, o que Pedro Bial não disse é que morrer é ridículo para quem fica, e não para quem vai.
Quem fica sofre, chora, fica morto em vida.

Mas, para quem vai, morrer é divino.
Tão divino que mesmo a morte mais dura se torna doce depois de acontecer.
Não se sente mais nada.
Nem o frio, nem o calor. Muito menos sente-se dor.
Não se escuta mais nada.
Nem as mentiras, nem as bobagens. Muito menos escuta-se a falsidade.
Não se vê mais nada.
Nem as tempestades, nem os feios. Muito menos vê-se o sofrimento.

De pó somos feito, e pó viraremos enfim.

Morrer é divino.
Tão divino que prefiro ficar por aqui mesmo.
Sentindo o que não quero, escutando o que não gostaria, e vendo tudo aquilo que poderia ser tapado (não com a terra, mas com a própria rendição to ser humano à felicidade)

Viver é sim ridículo.
Vivemos tão intensamente que nos tornamos vulneráveis à qualquer coisa, até mesmo à morte.
Vivemos e nos perdemos em vida, às vezes sem nunca nos encontrarmos.
Viver é tão ridículo quanto morrer.
Tão ridículo que chega a ser saboroso.
E quando o sabor se torna bom, tentamos ao pecado.
Viver é ridículo.
Viver é pecar.
Viver é esperar.
Esperar algo que só saberemos se encontramos ou não quando estivermos prestes a morrer.
Esperamos a felicidade... Uma felicidade imposta, que poucos têm.
Felicidade esta que vivemos buscando, e morremos esperando.
E por mais cruel que seja, é bom que vivamos na constante busca da felicidade.
Caso contrário, viveríamos para que?
Buscando o que?
Vivendo ridicularmente só por viver?

"Embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu." Luis Fernando Veríssimo.


Gabriele Schillo

(Na foto o pôr-do-sol mais lindo. Porto Alegre, RS. Parque do "gigantinho")

4 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Concordo anjo, e como eu já disse aqui em outro comentário, a felicidade é dividida em momentos, ela não é contínua, mas nós vivemos em busca dessa contínua felicidade, esse é um dos motivos de se viver, é por esse motivo que a vida é feita de altos e baixos e justamente por isso quando estivermos no baixo da vida devemos desejar, sonha e lutar por essa felicidade, pq é assim que voltamos para o alto e não ficamos mortos enquanto a vida passa.
Adorei o texto amor, parabéns!

adrianombonatto disse...

Taí uma coisa complicada mesmo... Uma coisa que realmente me intriga é a tal da morte. A visão do que acontece geralmente varia conforme a religião. Talvez essa seja uma das questões mais delicadas, assim como a vida. Algumas pessoas acreditam que somos fruto de algo divino, como Einstein, que acreditava que a própria existência já era um milagre.
Que há algo superior geralmente não há dúvida, só o que é esse algo superior, se é um ser onipotente bonzinho ou vingativo ou se é a própria natureza ou um fluxo de energia. Mas e a morte... Serei eu julgado pelos meus pecados... Dependendo do que eu fizer posso passar a eternidade ardendo em chamas de enxofre ou em mármore... Eternidade é muito tempo...
Será que o julgamento de uma vida vale por uma eternidade? Ou terei outras chances de me redimir retornando numa existência mais humilde? Ou somos apenas o fruto de equações bioquímicas e no fim da vida deste corpo farei parte da vida de outros? O que define a minha consciência? Porque as pessoas são diferentes? Existe mesmo uma alma? Como elas são criadas?...
Acho que dá pra passar a vida inteira se questionando a respeito da morte e se esquecendo da vida. Algumas perguntas nunca serão respondidas com o raciocínio humano, ou talvez sejam, mas nunca serão comprovadas pelo menos. O jeito é ir vivendo, da melhor forma possível, porque essa sim é certa. A morte como será?... Quando morrer eu descubro!
Parabéns Gaby! Mais um texto muito bom. Você tem que juntar essas coisas pra lançar um livro. Afinal as metas sempre são: plantar uma árvore, ter um filho e lançar um livro. aUwhAUwhuAWHuhAuAWH
Beijo!!!
"Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe."
( Oscar Wilde )

Gabrieli disse...

Gaby, este é um assunto no qual eu venho me questionando há algum tempo. Na medida com que o ser humano amadurece, ele vai se perguntandos dos fatos mais instigantes da vida. Eu estou nessa fase de pensar e refletir sobre algo desconhecido que as vezes me apavora. Mas ao mesmo tempo em que com minhas pesquisas e muitas leituras, não encontro uma resposta que me convensa de que algo das tantas teorias, uma delas seja mesmo verdade, eu estou procurando me deter em outros assuntos, sejam eles ligados a minha família, pois, certamente ficarei louca. hehe As vezes é melhor não sabermos tudo, porque só assim ficaremos com aquela esperança. E sinceramente, depois de tantas conversas com mestres e doutores na area de psicologia, neurologia e terapeutas, todos eles afirmam, a vida é uma caixinha de surpresa... e realmente é. Concluo os meus dizerem com uma frase que me inspira muito, inclusive Cecília escreveu um livro e o título e também o mesmo: Nada é por acaso!
Um beijão Gaby, sucesso para vc menina e continue escrevendo pois vc tem um futuro pela frente... e com certeza apoio a escrever um livro! Te adoro!